NEM ESPIONAGEM BARRA O LEILÃO DE LIBRA?

NEM ESPIONAGEM BARRA O LEILÃO DE LIBRA?

Escrito por: Emanuel Cancella diretor do Sindipetro-RJ Publicado em: 16/09/2013 • Última modificação: 28/04/2015 - 19:06 Publicado em: 16/09/2013 Última modificação: 28/04/2015 - 19:06

Com o leilão de Libra, Dilma estará vendendo o petróleo daquele campo a cerca de R$ 1,00 o barril. É quase um terço do que custa uma passagem de ônibus! Leia o artigo de Emanuel Cancella sobre o leilão do pré-sal nesse contexto de espionagem estadunidense.

Depois de 191 anos do Grito da Independência, os governantes do Brasil continuam a se comportar como marionetes nas mãos do dominador estrangeiro. No dia 7 de setembro de 1822, o Brasil teve que herdar a monstruosa dívida externa portuguesa, para que a “Independência” fosse assinada.

Em toda a história, a subserviência aos interesses externos têm sido a tônica. As palavras da presidenta Dilma contra a espionagem norte-americana só vão ganhar credibilidade se ela suspender o leilão de Libra. Caso contrário, sua indignação vai parecer jogo de cena e marketing eleitoral.

Parece não restarem mais dúvidas sobre as intenções dos órgãos de espionagem norte-americanos (NSA e CIA). O alvo é o pré-sal. Nesse cenário, fica ainda mais inaceitável manter o leilão de Libra, um dos maiores campos de petróleo do mundo.

O Sindipetro-RJ e as demais entidades nacionais e locais que se somam à campanha O Petróleo Tem que Ser Nosso já consideravam criminosa a manutenção desse leilão, nas condições anunciadas. Inclusive somos coautores de um recurso ao Tribunal de Contas da União (TCU), ao lado da AEPET, reivindicando a anulação do edital de licitação de Libra, em razão das irregularidades contidas, todas com o objetivo de favorecer os consórcios concorrentes, em detrimento dos interesses da Petrobrás e dos brasileiros. Aliás, o TCU ainda não se pronunciou, o que acrescenta mais uma ilegalidade à conduta da ANP: publicar um edital de licitação em Diário Oficial, sem que tenha sido aprovado pelo TCU.

Quem vencer o leilão terá que pagar à União R$ 15 bilhões de bônus. Mas se a própria ANP anunciou que Libra deve ter 14 bilhões de barris de petróleo, basta transformar em dólar para obter uma estimativa do valor real dessas reservas: cerca de 1,5 trilhão de dólares. Com a ameaça de guerra na Síria o preço do barril no mercado internacional chegou a 135 dólares. Detalhe: o petróleo de Libra é de alta qualidade. E o Brasil estaria trocando essa reserva por algo em torno de R$1,00 o barril? Quase um terço do valor de uma passagem de ônibus?

Talvez essas contas consigam explicar o tamanho da indignação daqueles que não aceitam a entrega das preciosas reservas de petróleo do país às petrolíferas estrangeiras. E pensar que a presidenta Dilma chegou a afirmar, durante a campanha eleitoral, que “o pré-sal é o nosso passaporte para o futuro”.

Se não for sensível ao apelo das ruas, espera-se que a presidenta ouça, pelo menos, a voz sensata dos senadores da CPI da Espionagem, instalada no dia 3 de setembro. Vários deles já defendem a suspensão do leilão de Libra, por motivos óbvios, dentre os quais Roberto Requião (PMDB-PR), Pedro Simon (PMDB-RS), Cristovam Buarque (PDT-DF), Rollemberg (PSB-DF), Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) e Vanessa Grazziotin (PC do B-AM).

Nesse cenário, são atuais as palavras com que o jornalista Barbosa Lima Sobrinho costumava encerrar os seus discursos: “No Brasil –dizia – só existem dois partidos, o de Tiradentes e o de Sílvério dos Reis”. Vamos ver quem está do lado de quem.




Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.