#8M reune cerca de 50 mil mulheres no Rio de Janeiro

Ato se concentrou à partir de 16h e se movimentou por volta das 18:30, tendo prosseguimento por mais de 5 horas.

Escrito por: CUT RIO • Publicado em: 09/03/2017 - 14:24 • Última modificação: 09/03/2017 - 16:06 Escrito por: CUT RIO Publicado em: 09/03/2017 - 14:24 Última modificação: 09/03/2017 - 16:06

Imprensa CUT Rio

No final da tarde do dia 08 de Março mulheres começaram a chegar na Candelária, vindas dos quatro cantos da cidade, quiçá do estado. Às 18h 30min o ato tomou a Av. Rio Branco com cerca de 50 mil mulheres, representantes de organizações feministas, sindicais, partidárias, juventude.

Todas unidas na luta  contra o desmonte da previdência, nem uma a menos, pelo fim do feminicidio. Na concentração, próxima a Candelária,  todas deram seu recado ao microfone. Durante a caminhada foram entoadas várias palavras de ordem com a união da batucada dos movimentos de mulheres.

Entre gritos de "Fora Temer" eram entoados cantos históricos do movimento de mulheres, como "direito ao nosso corpo, legalizar o aborto." e  "violência contra mulher não é o mundo que a gente quer.".

Segundo Marlene Miranda, secretária de mulheres da CUT Rio, "estamos em êxtase com o sucesso desse ato, será fundamental na luta contra este desmonte machista que querem fazer da previdência. Nós mulheres não vamos pagar mais essa conta. Chega de golpes!".

O ato se encerrou na ALERJ, após quase 5 horas de manifestação. O clima era de muita indignação com a conjuntura, mas muita emoção com a sororidade que as mulheres cariocas mostraram na rua com sua luta.

Título: #8M reune cerca de 50 mil mulheres no Rio de Janeiro, Conteúdo: No final da tarde do dia 08 de Março mulheres começaram a chegar na Candelária, vindas dos quatro cantos da cidade, quiçá do estado. Às 18h 30min o ato tomou a Av. Rio Branco com cerca de 50 mil mulheres, representantes de organizações feministas, sindicais, partidárias, juventude. Todas unidas na luta  contra o desmonte da previdência, nem uma a menos, pelo fim do feminicidio. Na concentração, próxima a Candelária,  todas deram seu recado ao microfone. Durante a caminhada foram entoadas várias palavras de ordem com a união da batucada dos movimentos de mulheres. Entre gritos de Fora Temer eram entoados cantos históricos do movimento de mulheres, como direito ao nosso corpo, legalizar o aborto. e  violência contra mulher não é o mundo que a gente quer.. Segundo Marlene Miranda, secretária de mulheres da CUT Rio, estamos em êxtase com o sucesso desse ato, será fundamental na luta contra este desmonte machista que querem fazer da previdência. Nós mulheres não vamos pagar mais essa conta. Chega de golpes!. O ato se encerrou na ALERJ, após quase 5 horas de manifestação. O clima era de muita indignação com a conjuntura, mas muita emoção com a sororidade que as mulheres cariocas mostraram na rua com sua luta.



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.