Manifestações nas ruas do país questionam direitos

Que país é este, que mata gente, que a mídia mente e nos consome?

Escrito por: Érica Aragão, com informações da Secretaria Nacional do Grito / Portal da CUT • Publicado em: 09/09/2015 - 18:55 Escrito por: Érica Aragão, com informações da Secretaria Nacional do Grito / Portal da CUT Publicado em: 09/09/2015 - 18:55

As manifestações do Grito dos Excluídos e Excluídas 2015 que aconteceram no país todos neste 7 de setembro, dia que se comemora a independência do Brasil, tinha como lema: “Que país é este, que mata gente, que a mídia mente e nos consome?”.

Na sua 21º edição, o Grito tem como pauta a reivindicação daqueles que lutam por igualdade, justiça e vida digna em seis eixos: “Unir os generosos e generosas, Direitos Básicos, Desmentir a Mídia, As diferentes formas de Violência, Função do Estado, Participação Política e A rua é o lugar”.

s movimentos que compõem o Grito reconhecem os avanços sociais na última década, mas ressaltam que a onda de retrocesso em curso no Congresso Nacional, que tem afetado os direitos da classe trabalhadora como um todo, é o modelo de desenvolvimento que alimenta a burguesia, que extermina os povos das comunidades tradicionais, os jovens negros e pobres das periferias, violenta nossas mulheres e crianças e inviabiliza as relações em nossos territórios.

O genocídio da juventude negra invisibilizada pelas lentes da grande mídia, o modelo de organização do Estado que está a serviço da burguesia e o monopólio dos meios de comunicação estamparam faixas e cartazes nas avenidas e praças em várias cidades.

E elas não param aí. Movimentos populares e sindicais em diversas cidades realizarão seus Gritos por justiça social e direitos ao longo da próxima semana e dos próximos meses. Assim vai se fortalecendo o processo de mobilização, de organização popular reivindicando a dignidade da pessoa humana e fazendo soar ainda mais forte o tema da maior manifestação popular do Brasil.

A CUT participou em vários estados.

Confira as ações que aconteceram em todo país:

SP

Em São Paulo na capital, cerca de 10 mil pessoas saíram em caminhada da Praça Oswaldo Cruz, passaram pela Assembleia Legislativa de São Paulo e seguiram rumo ao Monumento das Bandeiras no Parque do Ibirapuera. Já na Praça da Sé, cerca de 300 pessoas de movimentos populares, pastorais e centrais sindicais se reuniram em um ato que lembrou a morte de Francisco Lima, morador de rua que foi morto na última sexta-feira (4), ao tentar defender uma mulher que era mantida refém nas escadarias da igreja. Luiz Antônio da Silva, que mantinha a refém, também foi morto na ação pela Polícia Militar. Também tinha cartazes reivindicando justiça nas mortes de jovens na chacina em Osasco e Barueri. Os manifestantes terminaram o ato com um abraço simbólico à catedral, lembrando que os mortos são vítimas do mesmo sistema. Em Aparecida, no Vale do Paraíba, cerca de 10 mil pessoas participaram no Santuário Nacional de Aparecida neste dia 7. Os militantes reivindicaram maior participação popular e a democratização da mídia.

Paraná

O Grito dos Excluídos em Curitiba reuniu cerca de 200 pessoas na Igreja Nossa Senhora do Rosário do Belém, no bairro Centenário. O ato seguiu até a Vila São Domingos, onde há mais de 800 famílias que lutam pela regularização de suas moradias.

Alagoas

Mais de 500 pessoas ligadas a movimentos sociais, pastorais, entidades e partidos marcharam em Maceió (AL), seguindo o desfile oficial de 7 de setembro. Ao final do ato, o governador Renan Filho (PMDB) foi ao meio do povo ouvir as reivindicações de ampliação de direitos, de abertura de negociações com os professores grevistas e de paz nas favelas e justiça ao Caso Davi, jovem morto há um ano por policiais.

Distrito Federal

Em Brasília, no Distrito Federal, movimentos sociais, sindicatos e demais coletivos se articularam para a realização da manifestação do Grito dos Excluídos, que se iniciou às 8h, na Catedral Metropolitana, no Plano Piloto de Brasília. “O objetivo é expor e colocar em debate os reais problemas que afetam o povo, então diante dessa crise política, econômica, social e ambiental que vivemos, movimentos sociais, coletivos e sindicatos estão organizados e mobilizados para dar uma resposta propositiva para essa crise no sentido de melhorar a vida do povo e dar voz aos excluídos e excluídas”, ressaltou Fábio Miranda, membro da coordenação do Grito no DF.

Rio Grande do Sul

Em Porto Alegre cerca de 250 pessoas participaram do 21º Grito dos Excluídos. A concentração começou na Rótula das Cuias, os militantes seguiram em caminhada até a Usina do Gasômetro, no Centro Histórico.

Minas Gerais

Em Belo Horizonte (MG), cerca de 600 pessoas se concentraram na Praça Raul Soares e de lá seguiram em marcha até a praça sete, no centro da capital.

Bahia

Em Salvador, na Praça do Campo Grande, 20 mil pessoas de movimentos sociais, pastorais, sindicatos e demais coletivos se articularam para a realização da manifestação do Grito dos Excluídos. Os militantes denunciaram o genocídio da população jovem e negra, pediram atenção especial à economia solidária, ao quilombo Rio dos Macacos, comunidade quilombola que há décadas luta pela regularização da área. Os trabalhadores de água e esgoto, do Sindicato dos trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (SINDAE), repudiaram o corte dos salários de trabalhadores em greve, prisões de dirigentes sindicais e extinção de empresas públicas.

 

Roraima

Em Boa Vista, capital de Roraima, representantes de 50 entidades participaram pela manhã deste 7 de setembro. A concentração teve início por volta das 9h, na Praça Oswaldo Cruz, bairro da Boa Vista. De lá, os manifestantes seguiram em passeata pela Avenida Conde da Boa Vista até a Praça do Carmo, onde um ato público aconteceu a partir das 13h.

Rio de Janeiro

No Rio de Janeiro cerca de 100 pessoas de movimentos sociais saíram em passeata pela Avenida Presidente Vargas no centro da cidade. A concentração começou às 9h na Rua Uruguaiana e a caminhada seguiu até a estátua de Zumbi dos Palmares. A manifestação contou com a participação de movimentos feministas, negros, indígena, de juventude, por moradia, educação, comunicação popular, sindicalistas, classistas e partidos de esquerda.

Pernambuco

Marchando pelas principais ruas e avenidas do Recife, cerca de 3500 pessoas gritaram em defesa da democracia, da ética na mídia, pela melhoria e mais investimentos no Sistema de Saúde Pública (SUS), por mais educação, Reforma Agrária, demarcação de terras indígenas e direito à cidade. Vários movimentos sociais, pastorais sociais da Igreja católica, sindicatos, grupos de jovens, mulheres, indígenas gritaram também pela prevenção e combate à violência contra os jovens, contra as mulheres, e contra a violência policial. 

Pará

Cerca de 500 marcharam pelas ruas da capital Belém (PA), os manifestantes pediram o fim do extermínio da juventude e da violência contra mulher. Durante o trajeto, os manifestantes pararam enfrente à Rede Globo e pediram pela democratização dos meios de comunicação. Além da reforma agrária, manifestantes também denunciavam a terceirização (PLC30) e as péssimas condições de trabalho nas hidroelétricas.

Goiânia

Em Goiânia (GO), 150 pessoas se reuniram em um seminário que contou com a participação de moradores das periferias da cidade. O evento debateu os princi

pais temas do 21º Grito os Excluídos.

Sergipe

Em Aracaju, 6 mil pessoas de várias regiões do estado protestaram pelas ruas da capital sergipana.O Grito teve início às 8:30h, com a concentração em frente à Catedral Metropolitana de Aracaju, onde foram feitas apresentações culturais e uma celebração coordenada conjuntamente pelo Coletivo de Terreiros e pelas Pastoras Sociais da Arquidiocese, num belo ato de respeito à diversidade religiosa. Após a concentração, os manifestantes seguiram, animados por três carros de som, em caminhada pelas avenidas Ivo do Prado e Barão de Maruim. Durante todo o trajeto, a população saudou e se juntou à manifestação, demonstrando que o Grito dos Excluídos é, em essência, o encontro do povo com o próprio povo.

 

 

Reportagem da TVT sobre o Grito dos Excluídos em Brasília:

Título: Manifestações nas ruas do país questionam direitos, Conteúdo: As manifestações do Grito dos Excluídos e Excluídas 2015 que aconteceram no país todos neste 7 de setembro, dia que se comemora a independência do Brasil, tinha como lema: “Que país é este, que mata gente, que a mídia mente e nos consome?”. Na sua 21º edição, o Grito tem como pauta a reivindicação daqueles que lutam por igualdade, justiça e vida digna em seis eixos: “Unir os generosos e generosas, Direitos Básicos, Desmentir a Mídia, As diferentes formas de Violência, Função do Estado, Participação Política e A rua é o lugar”. s movimentos que compõem o Grito reconhecem os avanços sociais na última década, mas ressaltam que a onda de retrocesso em curso no Congresso Nacional, que tem afetado os direitos da classe trabalhadora como um todo, é o modelo de desenvolvimento que alimenta a burguesia, que extermina os povos das comunidades tradicionais, os jovens negros e pobres das periferias, violenta nossas mulheres e crianças e inviabiliza as relações em nossos territórios. O genocídio da juventude negra invisibilizada pelas lentes da grande mídia, o modelo de organização do Estado que está a serviço da burguesia e o monopólio dos meios de comunicação estamparam faixas e cartazes nas avenidas e praças em várias cidades. E elas não param aí. Movimentos populares e sindicais em diversas cidades realizarão seus Gritos por justiça social e direitos ao longo da próxima semana e dos próximos meses. Assim vai se fortalecendo o processo de mobilização, de organização popular reivindicando a dignidade da pessoa humana e fazendo soar ainda mais forte o tema da maior manifestação popular do Brasil. A CUT participou em vários estados. Confira as ações que aconteceram em todo país: SP Em São Paulo na capital, cerca de 10 mil pessoas saíram em caminhada da Praça Oswaldo Cruz, passaram pela Assembleia Legislativa de São Paulo e seguiram rumo ao Monumento das Bandeiras no Parque do Ibirapuera. Já na Praça da Sé, cerca de 300 pessoas de movimentos populares, pastorais e centrais sindicais se reuniram em um ato que lembrou a morte de Francisco Lima, morador de rua que foi morto na última sexta-feira (4), ao tentar defender uma mulher que era mantida refém nas escadarias da igreja. Luiz Antônio da Silva, que mantinha a refém, também foi morto na ação pela Polícia Militar. Também tinha cartazes reivindicando justiça nas mortes de jovens na chacina em Osasco e Barueri. Os manifestantes terminaram o ato com um abraço simbólico à catedral, lembrando que os mortos são vítimas do mesmo sistema. Em Aparecida, no Vale do Paraíba, cerca de 10 mil pessoas participaram no Santuário Nacional de Aparecida neste dia 7. Os militantes reivindicaram maior participação popular e a democratização da mídia. Paraná O Grito dos Excluídos em Curitiba reuniu cerca de 200 pessoas na Igreja Nossa Senhora do Rosário do Belém, no bairro Centenário. O ato seguiu até a Vila São Domingos, onde há mais de 800 famílias que lutam pela regularização de suas moradias. Alagoas Mais de 500 pessoas ligadas a movimentos sociais, pastorais, entidades e partidos marcharam em Maceió (AL), seguindo o desfile oficial de 7 de setembro. Ao final do ato, o governador Renan Filho (PMDB) foi ao meio do povo ouvir as reivindicações de ampliação de direitos, de abertura de negociações com os professores grevistas e de paz nas favelas e justiça ao Caso Davi, jovem morto há um ano por policiais. Distrito Federal Em Brasília, no Distrito Federal, movimentos sociais, sindicatos e demais coletivos se articularam para a realização da manifestação do Grito dos Excluídos, que se iniciou às 8h, na Catedral Metropolitana, no Plano Piloto de Brasília. “O objetivo é expor e colocar em debate os reais problemas que afetam o povo, então diante dessa crise política, econômica, social e ambiental que vivemos, movimentos sociais, coletivos e sindicatos estão organizados e mobilizados para dar uma resposta propositiva para essa crise no sentido de melhorar a vida do povo e dar voz aos excluídos e excluídas”, ressaltou Fábio Miranda, membro da coordenação do Grito no DF. Rio Grande do Sul Em Porto Alegre cerca de 250 pessoas participaram do 21º Grito dos Excluídos. A concentração começou na Rótula das Cuias, os militantes seguiram em caminhada até a Usina do Gasômetro, no Centro Histórico. Minas Gerais Em Belo Horizonte (MG), cerca de 600 pessoas se concentraram na Praça Raul Soares e de lá seguiram em marcha até a praça sete, no centro da capital. Bahia Em Salvador, na Praça do Campo Grande, 20 mil pessoas de movimentos sociais, pastorais, sindicatos e demais coletivos se articularam para a realização da manifestação do Grito dos Excluídos. Os militantes denunciaram o genocídio da população jovem e negra, pediram atenção especial à economia solidária, ao quilombo Rio dos Macacos, comunidade quilombola que há décadas luta pela regularização da área. Os trabalhadores de água e esgoto, do Sindicato dos trabalhadores em Água, Esgoto e Meio Ambiente (SINDAE), repudiaram o corte dos salários de trabalhadores em greve, prisões de dirigentes sindicais e extinção de empresas públicas.   Roraima Em Boa Vista, capital de Roraima, representantes de 50 entidades participaram pela manhã deste 7 de setembro. A concentração teve início por volta das 9h, na Praça Oswaldo Cruz, bairro da Boa Vista. De lá, os manifestantes seguiram em passeata pela Avenida Conde da Boa Vista até a Praça do Carmo, onde um ato público aconteceu a partir das 13h. Rio de Janeiro No Rio de Janeiro cerca de 100 pessoas de movimentos sociais saíram em passeata pela Avenida Presidente Vargas no centro da cidade. A concentração começou às 9h na Rua Uruguaiana e a caminhada seguiu até a estátua de Zumbi dos Palmares. A manifestação contou com a participação de movimentos feministas, negros, indígena, de juventude, por moradia, educação, comunicação popular, sindicalistas, classistas e partidos de esquerda. Pernambuco Marchando pelas principais ruas e avenidas do Recife, cerca de 3500 pessoas gritaram em defesa da democracia, da ética na mídia, pela melhoria e mais investimentos no Sistema de Saúde Pública (SUS), por mais educação, Reforma Agrária, demarcação de terras indígenas e direito à cidade. Vários movimentos sociais, pastorais sociais da Igreja católica, sindicatos, grupos de jovens, mulheres, indígenas gritaram também pela prevenção e combate à violência contra os jovens, contra as mulheres, e contra a violência policial.  Pará Cerca de 500 marcharam pelas ruas da capital Belém (PA), os manifestantes pediram o fim do extermínio da juventude e da violência contra mulher. Durante o trajeto, os manifestantes pararam enfrente à Rede Globo e pediram pela democratização dos meios de comunicação. Além da reforma agrária, manifestantes também denunciavam a terceirização (PLC30) e as péssimas condições de trabalho nas hidroelétricas. Goiânia Em Goiânia (GO), 150 pessoas se reuniram em um seminário que contou com a participação de moradores das periferias da cidade. O evento debateu os princi pais temas do 21º Grito os Excluídos. Sergipe Em Aracaju, 6 mil pessoas de várias regiões do estado protestaram pelas ruas da capital sergipana.O Grito teve início às 8:30h, com a concentração em frente à Catedral Metropolitana de Aracaju, onde foram feitas apresentações culturais e uma celebração coordenada conjuntamente pelo Coletivo de Terreiros e pelas Pastoras Sociais da Arquidiocese, num belo ato de respeito à diversidade religiosa. Após a concentração, os manifestantes seguiram, animados por três carros de som, em caminhada pelas avenidas Ivo do Prado e Barão de Maruim. Durante todo o trajeto, a população saudou e se juntou à manifestação, demonstrando que o Grito dos Excluídos é, em essência, o encontro do povo com o próprio povo.     Reportagem da TVT sobre o Grito dos Excluídos em Brasília:



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.