Metalúrgicos do Estaleiro Mauá fazem grande assembleia nesta quarta (16)

Objetivo é fortalecer movimento pelo pagamento dos direitos e pela retomada das atividades

Escrito por: Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói • Publicado em: 15/09/2015 - 17:57 Escrito por: Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói Publicado em: 15/09/2015 - 17:57

O Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói convocou os 3.300 trabalhadores demitidos pelo Estaleiro Eisa Petro Um (Estaleiro Mauá) para uma grande assembleia na porta da empresa que fica no bairro Ponta D’Areia, em Niterói, nesta quarta-feira, 16 de setembro, a partir das 07 de manhã. A iniciativa visa fortalecer o movimento pelo pagamento dos salários e indenizações dos funcionários e também pela retomada das atividades no local. São mais de 90 dias sem dinheiro. O Sindicato pretende acampar na porta do estaleiro por tempo indeterminado.

Em julho, o estaleiro fechou as portas demitindo todos seus funcionários. A categoria foi pega de surpresa já que nos últimos meses a produção dos trabalhadores possibilitou a empresa obter um faturamento acima da média. A direção do Estaleiro Eisa Petro Um não pagou os salários de junho e também não indenizou nenhum trabalhador.

Uma ação judicial na 3º Vara do Trabalho de Niterói movida pelo Ministério Público do Trabalho e o Sindicato cobra o pagamento de todas as indenizações do Eisa Petro Um e também da Transpetro, subsidiária da Petrobras e responsável pela contratação das construções dos navios.

O impasse permanece. O processo da primeira instância está em fase de julgamento e o juiz da causa deve anunciar a sentença nos próximos dias. Até o momento, o Sindicato conseguiu a liberação de R$ 3 milhões que foram divididos igualmente entre os 3.300 operários. Outros R$ 12 milhões haviam sido liberados, mas a decisão foi cassada por uma desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região.

Título: Metalúrgicos do Estaleiro Mauá fazem grande assembleia nesta quarta (16), Conteúdo: O Sindicato dos Metalúrgicos de Niterói convocou os 3.300 trabalhadores demitidos pelo Estaleiro Eisa Petro Um (Estaleiro Mauá) para uma grande assembleia na porta da empresa que fica no bairro Ponta D’Areia, em Niterói, nesta quarta-feira, 16 de setembro, a partir das 07 de manhã. A iniciativa visa fortalecer o movimento pelo pagamento dos salários e indenizações dos funcionários e também pela retomada das atividades no local. São mais de 90 dias sem dinheiro. O Sindicato pretende acampar na porta do estaleiro por tempo indeterminado. Em julho, o estaleiro fechou as portas demitindo todos seus funcionários. A categoria foi pega de surpresa já que nos últimos meses a produção dos trabalhadores possibilitou a empresa obter um faturamento acima da média. A direção do Estaleiro Eisa Petro Um não pagou os salários de junho e também não indenizou nenhum trabalhador. Uma ação judicial na 3º Vara do Trabalho de Niterói movida pelo Ministério Público do Trabalho e o Sindicato cobra o pagamento de todas as indenizações do Eisa Petro Um e também da Transpetro, subsidiária da Petrobras e responsável pela contratação das construções dos navios. O impasse permanece. O processo da primeira instância está em fase de julgamento e o juiz da causa deve anunciar a sentença nos próximos dias. Até o momento, o Sindicato conseguiu a liberação de R$ 3 milhões que foram divididos igualmente entre os 3.300 operários. Outros R$ 12 milhões haviam sido liberados, mas a decisão foi cassada por uma desembargadora do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região.



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.