Mobilização contra o pagamento parcial do salário foi uma vitória

Em greve, dois mil trabalhadores do Eisa (antigo Mauá) tomaram as ruas de Niterói e caminharam do estaleiro até a prefeitura

Escrito por: Imprensa Sindicato dos Metalúrgicos de NIterói • Publicado em: 19/06/2015 - 09:05 Escrito por: Imprensa Sindicato dos Metalúrgicos de NIterói Publicado em: 19/06/2015 - 09:05

Met.Niterói

Categoria pagamento dos 30% restantes dos salários de cerca de 3.600 trabalhadores. Passeata movimento a cidade e a imprensa de todo país. Pagamento estará nas contas na sexta-feira (19). União Sindicato e Trabalhadores rendeu mais uma vitória

Trabalhadores do Estaleiro Eisa Petro Um (antigo Mauá) tomaram as ruas de Niterói nesta terça-feira (16) para protestar contra o pagamento parcial dos salários. Cerca de dois mil metalúrgicos caminharam da porta do estaleiro, no bairro Ponta D’Areia, até a Prefeitura, na Rua Visconde de Sepetiba, no centro. O objetivo foi alcançado pelos trabalhadores e a direção do Sindicato. A empresa emitiu uma circular de comunicação confirmando o pagamento para a próxima sexta-feira (19) e a prefeitura se comprometeu a intermediar soluções junto à direção do estaleiro. No início do mês, o estaleiro pagou apenas 70% do valor dos salários dos 3.600 trabalhadores.

Os metalúrgicos cobram ainda soluções referentes ao plano de saúde que foi parcialmente interrompido. Algumas consultas aparecem no contracheque sendo cobradas quase que no valor integral. Outro problema são os depósitos do FGTS dos trabalhadores. Há casos que o atraso já passa de um ano.

Após a passeata, uma comissão, formada por três trabalhadores e os diretores do Sindicato, Edson Rocha (presidente), Luiz Cláudio Bitencourt (diretor), Gilberto Ramos (diretor) e Jadir Baptista (CUT/RJ), foi recebida por um grupo de Secretários Municipais, por ordem do Prefeito Rodrigo Neves, encabeçada pelo Secretário de Desenvolvimento Econômico, Fabiano Gonçalves, a Secretária Executiva, Maria Célia Vasconcellos, o Secretário de Governo, Roberto Salles, e o Secretário de Administração, Moacir Linhares.

O anúncio do pagamento dos 30% restante dos salários foi feito pelo presidente do Sindicato, Edson Rocha, no caminhão de som, após a reunião com a prefeitura.

“Recebi um comunicado da direção da empresa afirmando que a complementação do salário de todos os trabalhadores acontecerá na sexta-feira (19). Aproveitamos e cobramos o depósito do tíquete alimentação que tem que acontecer no sábado dia 20 de junho”, disse Edson.

O Secretário Fabiano Gonçalves revelou ser filho de metalúrgico e assegurou que a partir daquele movimento dos trabalhadores e com o pedido do Sindicato, o prefeito Rodrigo Neves, ordenou que a comissão de secretários intermediasse negociações com a empresa.

“O setor naval tem uma importância imensa para Niterói. Sou filho de metalúrgico e sei o que sofri com a crise dos estaleiros nas décadas de 1980 e 1990. Vamos, a pedido do prefeito, dar todo apoio aos trabalhadores do Estaleiro Mauá, que é o mais antigo do Brasil”, assegurou.

Com o pagamento de apenas 70% dos salários muitos metalúrgicos tiveram a renda comprometida.

“Tem trabalhador passando necessidade. Muitas pessoas estão sendo mandadas embora. Queremos uma justificativa plausível para isso. O que a gente percebe é uma crise, que se instala no setor. Se o poder público não se mexer, vamos ter, até o fim do ano, milhares de pessoas desempregadas porque muitos estaleiros já ameaçam deixar a região” revela o presidente do Sindicato.

O diretor do Sindicato Luiz Cláudio Bitencourt afirmou que os trabalhadores do estaleiro Mauá vêm sofrendo há algum tempo com as mudanças na empresa.

 

“Somos a todo tempo cobrados e temos imposições de novas regras. Se fazemos o nosso e trabalhamos direitinho, queremos receber 100% de salário. O Sindicato sempre esteve ao lado do trabalhador. Vamos permanecer vigilantes e esperar que o estaleiro cumpra o acordo de pagar na sexta-feira. Caso não aconteça, na segunda-feira (22) vamos paralisar tudo de novo”, acrescentou.

Título: Mobilização contra o pagamento parcial do salário foi uma vitória, Conteúdo: Categoria pagamento dos 30% restantes dos salários de cerca de 3.600 trabalhadores. Passeata movimento a cidade e a imprensa de todo país. Pagamento estará nas contas na sexta-feira (19). União Sindicato e Trabalhadores rendeu mais uma vitória Trabalhadores do Estaleiro Eisa Petro Um (antigo Mauá) tomaram as ruas de Niterói nesta terça-feira (16) para protestar contra o pagamento parcial dos salários. Cerca de dois mil metalúrgicos caminharam da porta do estaleiro, no bairro Ponta D’Areia, até a Prefeitura, na Rua Visconde de Sepetiba, no centro. O objetivo foi alcançado pelos trabalhadores e a direção do Sindicato. A empresa emitiu uma circular de comunicação confirmando o pagamento para a próxima sexta-feira (19) e a prefeitura se comprometeu a intermediar soluções junto à direção do estaleiro. No início do mês, o estaleiro pagou apenas 70% do valor dos salários dos 3.600 trabalhadores. Os metalúrgicos cobram ainda soluções referentes ao plano de saúde que foi parcialmente interrompido. Algumas consultas aparecem no contracheque sendo cobradas quase que no valor integral. Outro problema são os depósitos do FGTS dos trabalhadores. Há casos que o atraso já passa de um ano. Após a passeata, uma comissão, formada por três trabalhadores e os diretores do Sindicato, Edson Rocha (presidente), Luiz Cláudio Bitencourt (diretor), Gilberto Ramos (diretor) e Jadir Baptista (CUT/RJ), foi recebida por um grupo de Secretários Municipais, por ordem do Prefeito Rodrigo Neves, encabeçada pelo Secretário de Desenvolvimento Econômico, Fabiano Gonçalves, a Secretária Executiva, Maria Célia Vasconcellos, o Secretário de Governo, Roberto Salles, e o Secretário de Administração, Moacir Linhares. O anúncio do pagamento dos 30% restante dos salários foi feito pelo presidente do Sindicato, Edson Rocha, no caminhão de som, após a reunião com a prefeitura. “Recebi um comunicado da direção da empresa afirmando que a complementação do salário de todos os trabalhadores acontecerá na sexta-feira (19). Aproveitamos e cobramos o depósito do tíquete alimentação que tem que acontecer no sábado dia 20 de junho”, disse Edson. O Secretário Fabiano Gonçalves revelou ser filho de metalúrgico e assegurou que a partir daquele movimento dos trabalhadores e com o pedido do Sindicato, o prefeito Rodrigo Neves, ordenou que a comissão de secretários intermediasse negociações com a empresa. “O setor naval tem uma importância imensa para Niterói. Sou filho de metalúrgico e sei o que sofri com a crise dos estaleiros nas décadas de 1980 e 1990. Vamos, a pedido do prefeito, dar todo apoio aos trabalhadores do Estaleiro Mauá, que é o mais antigo do Brasil”, assegurou. Com o pagamento de apenas 70% dos salários muitos metalúrgicos tiveram a renda comprometida. “Tem trabalhador passando necessidade. Muitas pessoas estão sendo mandadas embora. Queremos uma justificativa plausível para isso. O que a gente percebe é uma crise, que se instala no setor. Se o poder público não se mexer, vamos ter, até o fim do ano, milhares de pessoas desempregadas porque muitos estaleiros já ameaçam deixar a região” revela o presidente do Sindicato. O diretor do Sindicato Luiz Cláudio Bitencourt afirmou que os trabalhadores do estaleiro Mauá vêm sofrendo há algum tempo com as mudanças na empresa.   “Somos a todo tempo cobrados e temos imposições de novas regras. Se fazemos o nosso e trabalhamos direitinho, queremos receber 100% de salário. O Sindicato sempre esteve ao lado do trabalhador. Vamos permanecer vigilantes e esperar que o estaleiro cumpra o acordo de pagar na sexta-feira. Caso não aconteça, na segunda-feira (22) vamos paralisar tudo de novo”, acrescentou.



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.