NOTA OFICIAL SOBRE A ALERJ

Chegou a hora de sacudir o tabuleiro, derrubar o rei e entregar o jogo aos peões.

Escrito por: cut rio • Publicado em: 17/11/2017 - 13:24 • Última modificação: 05/12/2017 - 19:55 Escrito por: cut rio Publicado em: 17/11/2017 - 13:24 Última modificação: 05/12/2017 - 19:55

ARQUIVO

Na ALERJ sempre imperou máxima de que “vão-se os anéis e ficam os dedos”. O jogo das cadeiras mudava a foto e mantinha as mãos. Chegou a hora de sacudir o tabuleiro, derrubar o rei e entregar o jogo aos peões.

A CUT sempre esteve na rua para defender os trabalhadores. Por salários justos e pagos em dia para os funcionários públicos. Por saúde pública e políticas de segurança que tenham o cidadão como foco. Em suma, tudo que vai contra o que foi feito por décadas e que envergonhou aquela casa do povo.


Os presos do PMDB estão reclusos devido a uma denúncia. Não nos enganamos por um segundo que é uma prisão preventiva, e como tal, necessita de um processo legal e com direito a defesa como todo cidadão brasileiro.

O PMDB colhe os frutos da própria demolição do Estado Democrático de Direito, onde pessoas são presas e assim mantidas como forma de acalmar o clamor popular pelo combate a corrupção.

Queremos que sejam presos, todos os culpados. Todos os que transformaram o Rio de Janeiro no mais surreal exemplo de aparelhamento do Estado para fins de corrupção.

Já ultrapassamos há anos o limite do óbvio sobre o que acontece no Rio de Janeiro. Os esquemas estão parasitariamente moldados nos pilares da ALERJ de tal forma que não conseguimos identificar onde terminam os ilícitos e onde começam as atividades puramente motivadas pela prática do exercício legislativo.

Acreditamos que as acusações e denúncias sejam muito bem embasadas, mas em situações normais de funcionamento das instituições, o procedimento legal tem fases até se declarar um suspeito como culpado.

Se demoliram os procedimentos legais, o Estado Democrático de Direito e fizeram do incomum o normal, o que faz a Família Marinho solta? Assim como os Picciani estão acusados. Acusados amplamente, noticiados pela própria imprensa global, de pagamento de propinas e sonegação fiscal. Isso não os diferencia muito do atual caso do clã que presidiu a ALERJ por 20 anos.

Não estamos defendendo que os deputados votem contra a determinação de prisão dos Picciani a reboque do que o congresso federal fez no caso Aécio, mas sim que também se prendam os Marinho.

Título: NOTA OFICIAL SOBRE A ALERJ, Conteúdo: Na ALERJ sempre imperou máxima de que “vão-se os anéis e ficam os dedos”. O jogo das cadeiras mudava a foto e mantinha as mãos. Chegou a hora de sacudir o tabuleiro, derrubar o rei e entregar o jogo aos peões. A CUT sempre esteve na rua para defender os trabalhadores. Por salários justos e pagos em dia para os funcionários públicos. Por saúde pública e políticas de segurança que tenham o cidadão como foco. Em suma, tudo que vai contra o que foi feito por décadas e que envergonhou aquela casa do povo. Os presos do PMDB estão reclusos devido a uma denúncia. Não nos enganamos por um segundo que é uma prisão preventiva, e como tal, necessita de um processo legal e com direito a defesa como todo cidadão brasileiro. O PMDB colhe os frutos da própria demolição do Estado Democrático de Direito, onde pessoas são presas e assim mantidas como forma de acalmar o clamor popular pelo combate a corrupção. Queremos que sejam presos, todos os culpados. Todos os que transformaram o Rio de Janeiro no mais surreal exemplo de aparelhamento do Estado para fins de corrupção. Já ultrapassamos há anos o limite do óbvio sobre o que acontece no Rio de Janeiro. Os esquemas estão parasitariamente moldados nos pilares da ALERJ de tal forma que não conseguimos identificar onde terminam os ilícitos e onde começam as atividades puramente motivadas pela prática do exercício legislativo. Acreditamos que as acusações e denúncias sejam muito bem embasadas, mas em situações normais de funcionamento das instituições, o procedimento legal tem fases até se declarar um suspeito como culpado. Se demoliram os procedimentos legais, o Estado Democrático de Direito e fizeram do incomum o normal, o que faz a Família Marinho solta? Assim como os Picciani estão acusados. Acusados amplamente, noticiados pela própria imprensa global, de pagamento de propinas e sonegação fiscal. Isso não os diferencia muito do atual caso do clã que presidiu a ALERJ por 20 anos. Não estamos defendendo que os deputados votem contra a determinação de prisão dos Picciani a reboque do que o congresso federal fez no caso Aécio, mas sim que também se prendam os Marinho.



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.