PETROLEIRO DA EMPRESA RIP MORRE NA PLATAFORMA PNA-2

Por volta das 14:30 de ontem, 25, o Trabalhador mecânico Sandro morreu em um acidente na plataforma PNA-2. O acidente fatal ocorreu quando o petroleiro fazia manutenção em um Guindaste.

Escrito por: Sindipetro NF • Publicado em: 26/11/2018 - 15:43 • Última modificação: 26/11/2018 - 15:47 Escrito por: Sindipetro NF Publicado em: 26/11/2018 - 15:43 Última modificação: 26/11/2018 - 15:47

Arquivo

Segundo informações do setor de segurança da Petrobrás, a família do trabalhador, de Marataízes-ES, ainda não havia sido avisada. Ainda segundo a empresa, o helicóptero aeromédico já foi acionado e a empresa agora aguarda o embarque da perícia da polícia civil para avaliar o ocorrido.

O Coordenador Geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra, irá compor a comissão de investigação do acidente para analisar o caso. "Basta de acidentes na Bacia de Campos, não podemos aceitar mais um petroleiro morto impunemente, estaremos fazendo todas análises para que não tenhamos mais que chorar a morte de nenhum trabalhador ou trabalhadora " afirmou Bezerra. 

"Já falamos há anos que a falta de investimentos em SMS e a precarização selvagem da relação de trabalho levaria a tragédias como essa. Um empresa que dá mais dinheiro para acionista americano do que investe em Saúde e Segurança, é terreno fértil para acidentes fatais como esses. A gestão da empresa terá que responder por essa fatalidade", completou Tezeu.


Passadas quase 24 horas da morte do petroleiro Sandro Ferreira da Silva, 43 anos, na plataforma PNA-2, na Bacia de Campos, o corpo do trabalhador continua a bordo da unidade neste início de tarde.

De acordo com informações apuradas pelo Sindipetro-NF junto à Petrobrás, a retirada do corpo do local do acidente é uma operação delicada, em razão da altura de dez metros do piso da plataforma e do difícil acesso. O trabalho será feito por uma equipe especializada dos bombeiros.

Além da dor da família, que aguarda pelo corpo em Macaé, o sindicato registra o grande abalo psicológico sofrido pelos colegas trabalhadores a bordo de PNA-2. Para estes, a entidade orienta que solicitem, se julgarem necessário, o desembarque.

Ontem, por volta das 14h30, horário do acidente, 192 petroleiros estavam a bordo. A plataforma continua a operar hoje.

Título: PETROLEIRO DA EMPRESA RIP MORRE NA PLATAFORMA PNA-2, Conteúdo: Segundo informações do setor de segurança da Petrobrás, a família do trabalhador, de Marataízes-ES, ainda não havia sido avisada. Ainda segundo a empresa, o helicóptero aeromédico já foi acionado e a empresa agora aguarda o embarque da perícia da polícia civil para avaliar o ocorrido. O Coordenador Geral do Sindipetro-NF, Tezeu Bezerra, irá compor a comissão de investigação do acidente para analisar o caso. Basta de acidentes na Bacia de Campos, não podemos aceitar mais um petroleiro morto impunemente, estaremos fazendo todas análises para que não tenhamos mais que chorar a morte de nenhum trabalhador ou trabalhadora afirmou Bezerra.  Já falamos há anos que a falta de investimentos em SMS e a precarização selvagem da relação de trabalho levaria a tragédias como essa. Um empresa que dá mais dinheiro para acionista americano do que investe em Saúde e Segurança, é terreno fértil para acidentes fatais como esses. A gestão da empresa terá que responder por essa fatalidade, completou Tezeu. Passadas quase 24 horas da morte do petroleiro Sandro Ferreira da Silva, 43 anos, na plataforma PNA-2, na Bacia de Campos, o corpo do trabalhador continua a bordo da unidade neste início de tarde. De acordo com informações apuradas pelo Sindipetro-NF junto à Petrobrás, a retirada do corpo do local do acidente é uma operação delicada, em razão da altura de dez metros do piso da plataforma e do difícil acesso. O trabalho será feito por uma equipe especializada dos bombeiros. Além da dor da família, que aguarda pelo corpo em Macaé, o sindicato registra o grande abalo psicológico sofrido pelos colegas trabalhadores a bordo de PNA-2. Para estes, a entidade orienta que solicitem, se julgarem necessário, o desembarque. Ontem, por volta das 14h30, horário do acidente, 192 petroleiros estavam a bordo. A plataforma continua a operar hoje.



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.