Povo e Sindicatos juntos nas mobilizações contra o Desmonte da Previdência

O último dia 5 foi marcado por atos de diversas categorias com participação popular expressiva no encerramento na Cinelândia.

Escrito por: CUT RJ • Publicado em: 06/12/2017 - 16:48 • Última modificação: 08/12/2017 - 13:22 Escrito por: CUT RJ Publicado em: 06/12/2017 - 16:48 Última modificação: 08/12/2017 - 13:22

Fotos: José Roberto Medeiros

O dia de luta contra o desmonte da Previdência e o fim da aposentadoria começou bem cedo para os CUTistas, com atos em Angra, na Transpetro, e em Macaé, também dos petroleiros, e seguiu durante todo o dia com passeatas e outas manifestações de diversas categorias, de norte a sul do estado. 


Saindo do hospital de Bonsucesso houve manifestação dos companheiros e companheiras da Atenção a Saúde Básica que estão em greve, organizados sobretudo pelos seguintes sindicatos CUTistas: Sindicatos dos Enfermeiros, Médicos, Psicólogos e Assistentes Sociais, Agentes de endemias.


Os Bancários do Rio fizeram um microfone aberto durante cerca de 3 horas no chamado Quadrilátero de Bancos, na Av. Rio Branco no Centro do Rio, abrindo espaço para a população falar, conversando e tirando dúvidas sobre as manifestações e sobre a Deforma Trabalhista e o Desmonte da Previdência.


Os companheiros da educação pública participaram do ato do SEPE em frente à Prefeitura, denunciando os desmandos do prefeito golpista, Crivella, que não para de retirar direitos dos trabalhadores da rede municipal, enquanto o SinproRio fez um ato na Cinelândia, de 11:30 a 13:30, um microfone aberto explicando para a população as perdas da classe trabalhadora com o desmonte da Previdência, reforçando que a campanha de que ela seria para “Retirar privilégios” é uma falácia, pois ela tira direitos.


O ato do Sindicato dos Radialistas e Jornalistas foi em frente à Empresa Brasil de Comunicação, contra o desmonte da Foto: José Roberto MedeirosFoto: José Roberto Medeiroscomunicação e da previdência públicas. Durante o ato, iniciado na sede da Gomes Freire e caminhou até a sede da Rua da Relação, foi encenado com um caixão o enterro simbólico do golpista Temer e do presidente da EBC indicado por ele, Laerte Rivoli, com direito até à marcha fúnebre.


À tarde também houve ato do Movimento de Mulheres, contra a PEC Cavalo de Troia (PEC 181), que começou com a discussão do aumento da licença maternidade para mães de filhos com necessidades especiais e terminou se tornando uma PEC que proíbe o aborto, inclusive em casos de estupro. Além disso, a associação de Doulas ocupou as galerias da câmara contra a decisão de Crivella, que seria votada ontem mesmo na Câmara dos Vereadores, da revogação da lei municipal que garante a presença de doulas nos hospitais municipais.


Foto: José Roberto MedeirosFoto: José Roberto MedeirosTodos esses atos e categorias se somaram à noite na Candelária, juntamente com outras categorias, como o SINTUFRJ e o SINTUFF que estão atualmente em greve dos técnicos administrativos das universidades. O movimento estudantil, os movimentos de moradia urbana como MTST, e outros movimentos sociais. Em grande parte da caminhada foi possível contar com o som das batucadas do Levante Popular da Juventude, e da UJS.


O ato de encerramento do dia de mobilizações contra o fim da aposentadoria foi bem plural, representativo e com bastante presença popular. No carro de som o tempo todo houve representação das sete entidades organizadoras, com rodízio entre elas nas falas. Foi possível perceber claramente a presença de mulheres, homens, negros e brancos na coordenação do ato, numa proporção que mostrava a diversidade e representatividade real do movimento.


A coordenação do ato foi composta pelas centrais: CUT, CTB, CSP/Conlutas e Intersindical em conjunto com as Frentes Brasil Popular, Povo sem Medo e de Esquerda Socialista.

Título: Povo e Sindicatos juntos nas mobilizações contra o Desmonte da Previdência, Conteúdo: O dia de luta contra o desmonte da Previdência e o fim da aposentadoria começou bem cedo para os CUTistas, com atos em Angra, na Transpetro, e em Macaé, também dos petroleiros, e seguiu durante todo o dia com passeatas e outas manifestações de diversas categorias, de norte a sul do estado.  Saindo do hospital de Bonsucesso houve manifestação dos companheiros e companheiras da Atenção a Saúde Básica que estão em greve, organizados sobretudo pelos seguintes sindicatos CUTistas: Sindicatos dos Enfermeiros, Médicos, Psicólogos e Assistentes Sociais, Agentes de endemias. Os Bancários do Rio fizeram um microfone aberto durante cerca de 3 horas no chamado Quadrilátero de Bancos, na Av. Rio Branco no Centro do Rio, abrindo espaço para a população falar, conversando e tirando dúvidas sobre as manifestações e sobre a Deforma Trabalhista e o Desmonte da Previdência. Os companheiros da educação pública participaram do ato do SEPE em frente à Prefeitura, denunciando os desmandos do prefeito golpista, Crivella, que não para de retirar direitos dos trabalhadores da rede municipal, enquanto o SinproRio fez um ato na Cinelândia, de 11:30 a 13:30, um microfone aberto explicando para a população as perdas da classe trabalhadora com o desmonte da Previdência, reforçando que a campanha de que ela seria para “Retirar privilégios” é uma falácia, pois ela tira direitos. O ato do Sindicato dos Radialistas e Jornalistas foi em frente à Empresa Brasil de Comunicação, contra o desmonte da comunicação e da previdência públicas. Durante o ato, iniciado na sede da Gomes Freire e caminhou até a sede da Rua da Relação, foi encenado com um caixão o enterro simbólico do golpista Temer e do presidente da EBC indicado por ele, Laerte Rivoli, com direito até à marcha fúnebre. À tarde também houve ato do Movimento de Mulheres, contra a PEC Cavalo de Troia (PEC 181), que começou com a discussão do aumento da licença maternidade para mães de filhos com necessidades especiais e terminou se tornando uma PEC que proíbe o aborto, inclusive em casos de estupro. Além disso, a associação de Doulas ocupou as galerias da câmara contra a decisão de Crivella, que seria votada ontem mesmo na Câmara dos Vereadores, da revogação da lei municipal que garante a presença de doulas nos hospitais municipais. Todos esses atos e categorias se somaram à noite na Candelária, juntamente com outras categorias, como o SINTUFRJ e o SINTUFF que estão atualmente em greve dos técnicos administrativos das universidades. O movimento estudantil, os movimentos de moradia urbana como MTST, e outros movimentos sociais. Em grande parte da caminhada foi possível contar com o som das batucadas do Levante Popular da Juventude, e da UJS. O ato de encerramento do dia de mobilizações contra o fim da aposentadoria foi bem plural, representativo e com bastante presença popular. No carro de som o tempo todo houve representação das sete entidades organizadoras, com rodízio entre elas nas falas. Foi possível perceber claramente a presença de mulheres, homens, negros e brancos na coordenação do ato, numa proporção que mostrava a diversidade e representatividade real do movimento. A coordenação do ato foi composta pelas centrais: CUT, CTB, CSP/Conlutas e Intersindical em conjunto com as Frentes Brasil Popular, Povo sem Medo e de Esquerda Socialista.



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.