Sindicalistas intensificam campanha mundial contra práticas antissindicais da Nissan nos EUA

Neste sábado (04), Marcha de Mississippi reúne milhares de pessoas pelo direito de sindicalização na montadora.

Escrito por: CNM/CUT • Publicado em: 07/03/2017 - 17:55 Escrito por: CNM/CUT Publicado em: 07/03/2017 - 17:55

Divulgação

Neste sábado (04), sindicalistas brasileiros se uniram mais uma vez para intensificar a campanha mundial para denunciar as práticas antissindicais da Nissan. Desta vez, participaram da Marcha de Mississippi, em Canton (EUA), que reuniu cerca de 2 mil pessoas. A ação foi promovida pelo UAW (United Auto Workers), sindicato dos trabalhadores da indústria automotiva dos EUA.

Participaram da Marcha representantes das principais centrais sindicais brasileiras, além de figuras públicas, como o senador do Partido Democrata Bernie Sanders e o ator e ativista Danny Glover.

Crédito: Divulgação
Delegação brasileira na Marcha de Mississippi
Delegação brasileira e representantes do UAW na Marcha de Mississippi


No país norte-americano, a sindicalização só é permitida se tiver a aprovação de 50% mais um dos trabalhadores de uma empresa, por meio de eleição secreta. Por isso, o UAW lançou uma campanha mundial contra as atitudes antissindicais da montadora, que tem se utilizado de todos os meios para impedir que os trabalhadores na Nissan se filiem à entidade sindical. Além disso, os trabalhadores não têm negociação coletivo, os salários são baixos, condições de trabalho ruins e mais da metade do quadro de funcionários é temporário.

“A solidariedade internacional é um dos princípios que norteiam a CNM/CUT. A unidade da classe trabalhadora é muito importante para enfrentar e resistir aos ataques dos conservadores que tentam retirar direitos. Por isso, é necessária esta ação global unificada entre as centrais sindicais”, afirmou Paulo Cayres, presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), que esteve presente na Marcha. “Sem o direito a sindicalização, eles não podem reivindicar melhores salários nem condições de trabalho, que nessa planta já é muito precária. Para nós, brasileiros, a sindicalização é um direito básico”, finalizou.

Ações
Nos últimos anos, a solidariedade internacional tem feito a diferença na campanha pela sindicalização e pelos direitos dos trabalhadores do Mississippi. Além das ações nas fábricas e concessionárias Nissan no Brasil, também foram realizados protestos no Salão do Automóvel de São Paulo (2012, 2014 e 2016).

Veja mais imagens do Protesto: 

Crédito: Divulgação
Danny Glover
Ativista e ator Danny Glover tambem participou da Marcha

 

Crédito: Divulgação
-
Manifestante pede salário mais digno e protesta contra a multinacional 

 

Crédito: Divulgação
-
 

 

Crédito: Divulgação
-
Paulo Cayres e Rafael marques durante marcha 

(Fonte: Assessoria de Imprensa da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT)

Título: Sindicalistas intensificam campanha mundial contra práticas antissindicais da Nissan nos EUA, Conteúdo: Neste sábado (04), sindicalistas brasileiros se uniram mais uma vez para intensificar a campanha mundial para denunciar as práticas antissindicais da Nissan. Desta vez, participaram da Marcha de Mississippi, em Canton (EUA), que reuniu cerca de 2 mil pessoas. A ação foi promovida pelo UAW (United Auto Workers), sindicato dos trabalhadores da indústria automotiva dos EUA. Participaram da Marcha representantes das principais centrais sindicais brasileiras, além de figuras públicas, como o senador do Partido Democrata Bernie Sanders e o ator e ativista Danny Glover. Crédito: Divulgação Delegação brasileira e representantes do UAW na Marcha de Mississippi No país norte-americano, a sindicalização só é permitida se tiver a aprovação de 50% mais um dos trabalhadores de uma empresa, por meio de eleição secreta. Por isso, o UAW lançou uma campanha mundial contra as atitudes antissindicais da montadora, que tem se utilizado de todos os meios para impedir que os trabalhadores na Nissan se filiem à entidade sindical. Além disso, os trabalhadores não têm negociação coletivo, os salários são baixos, condições de trabalho ruins e mais da metade do quadro de funcionários é temporário. “A solidariedade internacional é um dos princípios que norteiam a CNM/CUT. A unidade da classe trabalhadora é muito importante para enfrentar e resistir aos ataques dos conservadores que tentam retirar direitos. Por isso, é necessária esta ação global unificada entre as centrais sindicais”, afirmou Paulo Cayres, presidente da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT (CNM/CUT), que esteve presente na Marcha. “Sem o direito a sindicalização, eles não podem reivindicar melhores salários nem condições de trabalho, que nessa planta já é muito precária. Para nós, brasileiros, a sindicalização é um direito básico”, finalizou. Ações Nos últimos anos, a solidariedade internacional tem feito a diferença na campanha pela sindicalização e pelos direitos dos trabalhadores do Mississippi. Além das ações nas fábricas e concessionárias Nissan no Brasil, também foram realizados protestos no Salão do Automóvel de São Paulo (2012, 2014 e 2016). Veja mais imagens do Protesto:  Crédito: Divulgação Ativista e ator Danny Glover tambem participou da Marcha   Crédito: Divulgação Manifestante pede salário mais digno e protesta contra a multinacional    Crédito: Divulgação     Crédito: Divulgação Paulo Cayres e Rafael marques durante marcha  (Fonte: Assessoria de Imprensa da Confederação Nacional dos Metalúrgicos da CUT)



Informativo CUT RJ

Cadastre-se e receba periodicamente
nossos boletins informativos.